Quanto Custa?

França Brasil

Intercâmbio e Cursos para Estudar e Trabalhar na França

Trabalhar na França

Estudantes de cursos de longa duração têm permissão para trabalhar. Saiba mais sobre as regras e a carga horária de trabalho.

Uma outra vantagem de estudar na França é ter a possibilidade de trabalhar enquanto estuda ou nas férias, inclusive os estudantes vindos de países não membros da União Europeia. Esse direito a trabalho se aplica a todos os estudantes que possuem um visto de categoria “estudante” concedido para uma duração superior a 6 meses e que já realizaram as formalidades administrativas junto ao OFFI (Office Français de l’Imigration et de l’Intégration).

Trabalho para Estudantes na França

A legislação francesa autoriza que os estudantes trabalhem no máximo 964 horas por ano (em média 17 horas por semana). O estudante pode gerenciar seu banco de horas de acordo com sua disponibilidade (trabalhar integralmente durante as férias, trabalhar somente nos finais de semana, etc), desde que não ultrapasse o limite de horas permitido.

O salário mínimo na França, o SMIC (Salaire Minimum Interprofessionnel de Croissance), é atualmente (Out 2016) 9,67€ por hora (valor bruto). Assim, o trabalho a meio-período não cobre integralmente o custo de vida na França, mas contribui para os gastos durante a realização dos estudos superiores.

Desde 1º de julho de 2007 não é mais necessário solicitar uma autorização prévia para poder trabalhar, bastando assinar um contrato de trabalho. Por outro lado, a empresa/estabelecimento que emprega o estudante deve realizar algumas formalidades legais junto aos organismos franceses responsáveis. A exceção se dá aos doutorandos e àqueles que possuem um posto de FFI (Faisant Fonction d’Interne) que, por não estarem dispensados da solicitação de uma autorização de trabalho, devem procurar a préfecture de seu local de residência para mais informações.

Visto de Trabalho APÓS estudos na França

O governo francês permite que os estudantes que obtiverem um diploma de Master na França permaneçam no país por mais 6 meses após os estudos para procurar uma primeira experiência profissional em sua área de atuação. Para tal, quatro meses antes do término da validade da carte de séjour, é necessário que o estudante se apresente na prefeitura de seu local de residência e solicite a autorização de permanência pelos seis meses suplementares.

Caso ele encontre um trabalho, será preciso fazer uma mudança de estatuto: de estudante, você passa a ser assalariado e, para isso, deverá seguir um procedimento especial. Dependendo de seu local de residência, você poderá obter informações necessárias para a constituição de seu dossiê junto à Prefeitura de sua região. Será necessário apresentar o contrato ou a proposta de trabalho de uma empresa francesa.

Para apreciar sua solicitação, a administração levará em conta diversos critérios como a motivação da empresa, seu perfil ou a duração de seus estudos. Depois que seu pedido for aceito, você receberá uma carteira de residente temporário com a menção “assalariado”.

Enquanto o estudante não encontra trabalho em sua área de formação, poderá continuar a trabalhar em áreas alternativas como se ainda estivesse estudando, nas mesmas condições acima descritas (Trabalhar durante os estudos). Se por ventura ao término de seis meses o estudante não tiver conseguido um trabalho em sua área, ele deverá retornar ao Brasil, não havendo, nesse caso, possibilidade de prorrogação de seu visto de estudante.